Maternidade: uma arte colaborativa e solidária

Publicado  por: Redação Natura - 22/08/2017


6

Basta ficar grávida e você vai perceber olhares gentis e sorrisos de compreensão até de mães que não conhece. Vai perceber também que os palpites chegarão de todos os lados...mas isso é uma outra história. O que importa aqui é que as pessoas costumam ficar mais solidárias com as mães.

É claro que a responsabilidade de acolher uma criança no mundo não é só da mãe. Cada vez mais se fala da participação ativa e afetiva dos pais, das diversas formações familiares e do convívio com figuras como madrasta, padrasto e meios-irmãos... Fala-se também da importância da “vila” na primeira infância, onde a família estabelece relações de confiança com vizinhos e conhecidos com quem ela pode contar. E nesse sentido, perceber um ambiente mais “sorridente” dá um conforto danado para o filho, mas principalmente para aquela mulher que está aprendendo a ser mãe.

Aprender a ser mãe é um exercício contínuo e interminável.  Uma das grandes lições é a empatia. Tentar se colocar no lugar do filho para descobrir se o choro é consequência de uma dorzinha de barriga, de fome ou de manha é um dos primeiros desafios. Mas eles não param por aí: tente também se colocar no lugar de outra mãe que enfrenta dificuldades diferentes das suas. Assim, é possível ampliar suas referências para formar crianças mais atentas e tolerantes à diversidade.

Para isso, trocar experiências é fundamental. Um ótimo ponto de encontro é o CineMaterna. São sessões de cinema voltadas para mães e bebês. A programação é de temática adulta, mas as salas de projeção são preparadas para receber crianças de até 18 meses, com direito a trocadores de fralda, meia luz, volume do som reduzido e ar-condicionado regulado em temperatura amena. As sessões especiais são realizadas diariamente em dezenas de cidades brasileiras com o patrocínio nacional da Natura Mamãe e Bebê. E depois do filme, sempre é organizado um café com bate-papo para aproximar mães, bebês e tornar a experiência ainda mais rica.

Mais informações: www.cinematerna.org.br