Meu cabelo não cresce. O que fazer?

A herança genética é determinante, mas a alimentação é um dos fatores externos mais importantes quando o cabelo não cresce

Publicado em 4 dez 2018, 20:12

Seu cabelo não cresce? Saiba que essa é uma queixa comum de muitas mulheres. Apesar de a herança genética ser o principal fator determinante do crescimento dos fios, há medidas que você pode adotar para dar uma forcinha para a natureza.

Leia também:

Como fazer o cabelo crescer

Cabelo ralo e fino: veja 7 dicas para nutrir e dar volume

Guia completo para cabelo ondulado

O primeiro passo é fazer uma investigação sobre como anda sua saúde. Um médico tricologista – especialista em cabelo – ou um dermatologista pode avaliar se você está com algum problema que possa estar atrapalhando o crescimento dos fios.

Check-up

O profissional fará uma avaliação clínica sua, além de pedir exames laboratoriais – como hemograma e dosagem hormonal, de vitaminas e de sais minerais –  e, se for o caso, outros específicos para o cabelo, como o scanner de couro cabeludo, que amplia a área em até 20 mil vezes.

Os exames laboratoriais servem para descartar problemas de saúde que possam estar impedindo o cabelo de crescer, como no caso de doenças crônicas como diabetes, artrite reumatoide e lúpus eritematoso (inflamação causada quando o sistema imunológico ataca os próprios tecidos).

“Nessas situações, é necessário o tratamento da doença de base em associação com o tratamento dermatológico”, afirma a dermatologista Adriana Benito, professora-adjunta do curso de dermatologia cosmética do Instituto Superior de Medicina, em São Paulo.

A importância da alimentação

A avaliação laboratorial também poderá detectar se a pessoa está com alguma deficiência nutricional. 

O cabelo é feito de duas proteínas: queratina e melanina. Para produzir os fios, o organismo tem de mobilizar mais proteínas, vitaminas, sais minerais e vitaminas. “Custa caro para o corpo fazer cabelo”, diz o médico Valcinir Bedin, presidente da Sociedade Brasileira para Estudos do Cabelo.

Bedin explica que, diante desse custo e sabendo que o cabelo não é fundamental para a sobrevivência do ser humano, ao sinal de qualquer problema de saúde, essas matérias-primas são desviadas para resolvê-lo.

Por isso, uma alimentação balanceada é fundamental (e esqueça dietas restritivas). No seu prato, portanto, procure ter fontes de proteína e ferro, como carne vermelha ou branca, grãos como feijão e vegetais verde-escuros, como couve e brócolis.

A deficiência nutricional também pode estar relacionada com alguma questão de saúde que impede a absorção adequada dos nutrientes, como a doença de Crohn, que se caracteriza por uma inflamação e formação de cicatrizes no intestino.

Couro cabeludo saudável

“Toda alteração no couro cabeludo pode interferir no crescimento dos fios”, afirma a dermatologista Adriana Benito. Por isso, essa região tem de estar saudável para que o cabelo cresça.

Aparentemente inocente, a caspa, ou dermatite seborreica, é um dos problemas que atingem o couro cabeludo. Ela causa o entupimento do folículo piloso, estrutura em forma de tubo onde o fio nasce.

O acúmulo de produtos no couro cabeludo é outra questão que pode interferir em como o cabelo cresce. Bedin recomenda o uso de produtos adequados a seu tipo de cabelo, com pH ácido – que é o da região –, e sua correta aplicação e retirada.

“O cabelo parece mais volumoso quando os folículos não são bloqueados pela sujeira, pelas células mortas da pele e pelo acúmulo de produtos”, finaliza Adriana Benito.

Receba novidades

Cadastre-se e receba mais dicas