Redefina sucesso: homens podem ir além do papel de provedor financeiro

Priorizar o dia a dia ao lado dos filhos ou assumir as funções de casa também são sinônimos de sucesso

Publicado em 21 jun 2018, 21:06
Por Papo de Homem

Desde pequenos, nós ouvimos que o único resultado desejável na vida é vencer. É bom ganhar a disputa de uma corrida contra os amigos no recreio da escola, uma partida de futebol ou até no par ou ímpar. Mais tarde, a noção de conquista começa a se estender para relacionamentos amorosos, carreira, finanças e outros aspectos de nosso cotidiano. 

Leia também:

Homens: é a hora de olharmos para o espelho

Como os estereótipos impactam a vida de um homem negro

Rotina de beleza masculina: 4 produtos para inserir no nécessaire

Casou? Você precisa comprar uma casa própria. Virou pai? Melhor começar a pensar em conseguir uma promoção, mudar de emprego ou, enfim, dar um jeito de ganhar mais dinheiro.

Só que a busca por poder, dinheiro e a possibilidade de ascensão social tem seu preço. Ao colocar o foco e dedicação exclusiva no trabalho, deixamos de prestar atenção em nós mesmos (saúde, descanso e lazer ficam de lado) e nas pessoas que nos cercam. Mas não adianta ficar obstinado em colocar o dinheiro em casa se, sem amor, carinho ou tempo juntos, a família tende a desmoronar.

Com a crescente participação das mulheres no mercado de trabalho, esse conceito do homem como provedor perde ainda mais sentido. Se não é mais obrigação exclusiva dos homens sustentar a família financeiramente, qual é, então, o papel que nos cabe?

Todos.

Se as contas são divididas, não há porquê as tarefas do lar e o cuidado, afeto e atenção com os filhos não serem.

É claro que, para muitos de nós, ter uma carreira ascendente e ganhar cada vez mais dinheiro vai continuar sendo o principal indicador do que é triunfar. Não é um problema. Só precisamos abrir espaço para que outras escolhas — como priorizar o dia a dia ao lado dos filhos ou assumir as funções de casa com esmero — também sejam sinônimos de sucesso.

Deixar de lado regras e modelos que não funcionam pra gente e buscar aquilo que faz mais sentido pra quem somos (ou pretendemos ser) é o que nos permite ser homens, por inteiro.