Encontre por

Movimento body positive: o que você precisa saber sobre ele 

Discurso a favor da diversidade de corpos ganhou força para acabar com o padrão de beleza atual

Publicado em 2 out 2018, 18:10

Modelos magérrimas na capa das revistas femininas, manchetes anunciando dietas milagrosas e corpos sarados sendo exaltados. Esse foi o padrão de consumo de beleza que se instaurou por décadas e oprimiu aquelas que não se encaixavam. Contrário e resistente a isso, nos últimos anos, o movimento body positive ganhou força em todo o mundo para incentivar as pessoas a se amarem como são. 

Leia também:

"Querida Garota do Maiô Verde": Manifesto sobre a importância de amar o próprio corpo

Tododia Lima e Flor de Laranjeira celebra o curta "Ser O Que Se É"

5 atitudes para adotar no caminho da autoaceitação

Segundo a psicanalista Joana Vilhena Novaes, professora da Universidade Veiga de Almeida (UVA) e coordenadora do Núcleo de Doenças da Beleza da PUC-Rio, ações afirmativas como o body positive são importantes, pois devolvem uma vida social aos excluídos e, principalmente, uma relação harmônica consigo mesmo. 

As diferenças precisam ser tratadas como naturais. Celulite não é lindo, mas é natural, todo mundo tem. É preciso ter uma dimensão mais real, crítica e, ao mesmo tempo, verossímil”, diz Joana.

Todo esse movimento vem mostrando resultados. A abertura do mercado para modelos gordas, assim como o sucesso de influencers nacionais e internacionais como Ju Romano, Miriam Bottan, Luiza Junqueira, Ashley Graham e a atriz Danielle Brooks, da série Orange Is The New Black, entre tantas outras que marcam a militância pelo mundo, apontam para um novo cenário de beleza.

Para a psicanalista, o mais importante é aprender a conviver com as próprias limitações, pois a busca por novos padrões pode gerar novas frustrações. “Poder olhar para as suas diferenças e saber lidar com isso naturalmente faz parte do amadurecimento. A diversidade de corpos precisa ser valorizada, mas existem os limites de cada um”, explica Joana.

Quando o body positive vai além 

“O único perigo é exacerbar”, alerta Joana. Como? Esvaziando o propósito inicial. A psicanalista diz que, por mais que entenda, tem ressalvas quanto ao body positive. “Existe imensa diferença entre uma pessoa com sobrepeso se amar e não mais deixar de ir à praia por vergonha de não se encaixar em padrões e um corpo que mal se locomove e tem uma série de funções orgânicas comprometidas. Diversidade é uma coisa. Estímulo e ode à doença é outro”, finaliza Joana.

NEWSLETTER

Cadastre-se e receba mais dicas para adotar o caminho da autoaceitação!