Encontre por

Os batons coloridos mais desejados do último século

Do vermelho dos anos 1920 ao nude dos anos 2000, passeie com a gente pela história dos batons coloridos

Publicado em 28 mai 2018, 21:05

Pintar os lábios com batom colorido faz parte da rotina de beleza das mulheres. Mas, por trás desse hábito de make, existem anos de história!

Leia também:

Boca bold: dê destaque aos lábios com batom colorido e brilho suave

Batom nude: confira um passo a passo de make para o dia e para a noite

Como escolher a base ideal para cada tipo de pele

Ao longo da história, dependendo do contexto, a mulher que usava batom já foi vista ora como inocente e pura, ora como uma femme fatale. Hoje, o produto deixou de ser associado a estereótipos e se tornou símbolo de diferenciação pessoal e expressão da própria personalidade. Ou seja, ele deixou de ser ligado a um personagem. Você usa o que gosta!

Não se questiona mais a conduta pessoal da mulher que usa batom como se fazia há cem anos. Ele não é mais algo profano; é associado a mulheres decididas e independentes


conta Andreia Mirón, cool-hunter e coordenadora da Pós-Graduação da Faculdade Santa Marcelina, em São Paulo.

O nome batom vem do francês bâton, que significa bastão. Foi a partir da Revolução Industrial que a popularização de seu uso teve início. Até então, os cuidados com a imagem pessoal e o uso de cosméticos e maquiagem eram restritos ao público masculino (veio à mente a imagem de Luís XIV, rei da França?). Já no fim do século XIX, quem usava batom eram as atrizes, mas nem nelas seu uso era bem-visto pela sociedade. “As atrizes eram mulheres que tinham forte expressão pessoal, colocando-se firmemente no mercado de trabalho, o que não era comum na época”, diz Andreia. 

Por isso, algumas pessoas faziam uma associação errônea e não viam com bons olhos a profissão e o hábito de colorir os lábios com cores fortes.

De 1920 a 1940

Quando chegou o século XX, o estigma do batom começou a mudar de figura, ganhando ares de instrumento de beleza, assim como vemos hoje. Nos anos 1920, o produto era aplicado em formato de coração na boca, o que contribuía para deixar a mulher com um aspecto mais romantizado. Eram usados principalmente os tons de vermelho mais escuro.

Com o boom da indústria do cinema norte-americano, surgiu uma nova visão para a atriz, que passou a ser modelo e ideal de beleza. Surgiram ícones como Marlene Dietrich, com uma expressão facial marcante e batom vermelho em tons mais abertos. A maquiagem passou a causar comoção, principalmente aquela que envolvia os lábios, e isso se reforçou com o passar dos anos. 

1950 

Na década de 1950, com o estilo pin-up a todo vapor, o batom vermelho virou febre. Andreia Mirón conta como ele reforçava a moda da época: “As mulheres estavam sempre com uma roupa justinha, acinturada, com cabelo bem-feito – representavam meninas, mas com batom vermelho”.

1960 e 1970

Com as décadas de 1960 e 1970, chegou a influência dos jovens à sociedade. “Eles passaram a interferir na história da moda, a exigir tipos diferentes de produto", explica Andreia. Vemos aqui a explosão de novas cores em cosméticos, uma necessidade para as diferentes formas de expressão que surgiam. Góticos, punks e glams passaram a defender diversas bandeiras, e as cores começaram a fazer história. Foram criados novos tons, como o roxo.

1980 

Os anos 1980 vieram com uma grande diversidade de cores e roupas vibrantes, cabelos com volume e maquiagem alegre. Lembra-se da mistura de sombras coloridíssimas? O pink passou a ser febre, e o batom rosa era o queridinho das mulheres na época. Era usado com sombra azul ou verde e blush bem marcado. 

1990

Foi bem o contrário do que aconteceu na década seguinte, a dos anos 1990, também conhecida como a era do “menos é mais”. Batons com tons mais acinzentados e amarronzados conquistaram as mulheres pela promessa de facilitar a combinação com diferentes roupas, um reflexo dos tempos mais corridos e de profusão da vida profissional.

Depois de décadas passeando por vermelhos, roxos, rosa e marrons, o fim do século foi reservado para o batom sem cor. Os produtos nude têm agora sua vez sob os holofotes, quer sejam em versão matte, bem próxima da cor natural da boca, quer sejam em versão gloss, que apenas dá leve brilho aos lábios. 

Anos 2000

Agora, nos anos 2000, reina a democracia do batom, com todas as cores fazendo história ao mesmo tempo. Mais do que diferentes tons, as mulheres dispõem de diferentes tipos de cobertura e toda a informação de tutoriais e dicas para aplicá-los da melhor forma e criar looks impecáveis.

Receba novidades

Cadastre-se e receba mais dicas de maquiagem

Conheça os produtos

R$ 0,00R$ 0,00