Encontre por

Detox do olhar: como viver seu corpo plenamente 

Convidamos você a se olhar com mais gentileza para viver seu corpo plenamente

Publicado em 26 abr 2019, 09:04

Já faz algum tempo que a palavra “detox” entrou no nosso vocabulário. Seja em matérias que explicam como a alimentação pode reequilibrar o organismo, seja em passo a passos para se alcançar uma vida leve e uma mente livre, o objetivo é sempre o mesmo: limpeza. Por isso, convidamos você a fazer um detox do olhar para viver seu corpo plenamente.

Leia também:

5 atitudes para adotar no caminho da autoaceitação

Ana Paula Xongani fala sobre autoestima e aceitação do corpo negro

Mirian Bottan fala sobre a importância da diversidade dos corpos

A primeira coisa a ser feita é se olhar com mais gentileza, procurar detalhes que a tornam única e encontrar motivos para autoadmiração. Perceber como você pode inspirar outras pessoas também pode ser um caminho para levantar a autoestima e, consequentemente, o bem-estar. Este último foi o caminho da empresária e influenciadora digital Ana Paula Xongani. 

Meu olhar mudou quando percebi que inspiro outras mulheres. E também quando entendi minha ancestralidade. Se a gente entende que a beleza e os corpos são plurais, vai perceber que, quanto mais diversidade tiver, mais bonita toda essa história vai ficar. Aceitar seu corpo é um processo de liberdade”, afirma ela, que é um dos rostos da campanha de Tododia Folhas de Limão e Graviola. 

Detox do olhar não acontece da noite para o dia 

Fazer um detox do olhar não pode se tornar uma obrigação. A antropóloga Paula Pinto e Silva diz que, depois de décadas nos submetendo a padrões de beleza e dos corpos, seria uma injustiça criar outras regras agora (mesmo que elas sejam para o bem). 

O autoamor é necessário e deve ser praticado desde que a gente é criança. Precisamos descobrir o gostar de si independentemente do que temos ou somos na aparência. Mas precisamos tomar cuidado para não cair em outra ditadura de comportamento”, afirma ela, que é doutora em antropologia social pela Universidade de São Paulo (USP). 

Para a especialista, o caminho não é fácil, pois não nascemos com esse olhar generoso e, ao longo da vida, a sociedade nos impõe outros padrões. “Autoamor é um processo que pode ser conquistado por muitas mulheres, mas cada uma vai ter seu tempo. A forma que você encontra de lidar consigo mesma certamente não será a minha e assim por diante”, fala.

Como começar

Mesmo que seja um processo individual, há alguns passos que podem ajudar a começar esse caminho. De acordo com a antropóloga, o autoconhecimento é fundamental.

É preciso se conhecer melhor como mulher, para além do corpo e da sexualidade, e então entender como esse corpo me representa e expressa quem sou”, afirma. 

A partir daí, é iniciar as pazes consigo mesma e identificar se existe algo que precisa ser mudado. Trocar experiências com outras mulheres também pode ajudar. “Escolha algo que relaxe você, seja alguma técnica de meditação, seja algo mais particular, como cozinhar, dançar... O importante é conseguir olhar a vida a partir de outras expectativas”, sugere.