Óleo monofásico, bifásico e trifásico: qual é a diferença?

Entenda melhor os termos que indicam concentração e textura dos óleos, itens essenciais no nécessaire para deixar a pele hidratada e iluminada 

Publicado em 13 dez 2018, 12:12

Quem é fã de óleo corporal certamente já se deparou com os termos monofásico, bifásico e trifásico nos rótulos. Eles podem soar estranhos e até gerar dúvida na hora da escolha do mais indicado para cada necessidade, mas não se trata de um bicho de sete cabeças. Se você ainda não sabe diferenciá-los, este é o momento de tirar todas as dúvidas.

Leia também:

Óleo de banho é aliado da hidratação: veja mitos e verdades

Óleo corporal: saiba como usar dentro e fora do banho

Protetor solar: conheça o poder do óleo de buriti

Primeiro, é preciso entender que cada cosmético possui ingredientes nas mais variadas concentrações, responsáveis pela variação de textura e ação. Com os óleos não é diferente, e os termos citados se referem exatamente a isso. 

O x da questão

Os óleos, em geral, são responsáveis por criar um filme protetor sobre a pele, hidratando e mantendo esse benefício por mais tempo. "Eles evitam a perda de água da pele para o ambiente", explica Valéria Holsback, pesquisadora da Natura. 

Quando falamos dos monofásicos, referimo-nos aos mais fortes, formados por uma combinação maior de óleo com tensoativos. “Normalmente, quem tem a pele muito ressecada se beneficia mais dessa versão”, esclarece Valéria. "O Óleo Desodorante Corporal, Sève, por exemplo, é assim. Além de formar um filme protetor, é capaz de deixar a pele macia, com brilho e hidratada por até 24 horas.” A sensação de hidratação é maior nesse caso.

Os bifásicos, por outro lado, contêm uma fase oleosa e outra que não se mistura, podendo ser glicólica ou aquosa. Trata-se de uma versão um pouco mais suave do que a anterior.

Já os trifásicos são compostos por três fases, como o próprio nome indica. Por terem densidades e polaridades diferentes, elas ficam visivelmente separadas: a oleosa contém óleos 100% vegetais que hidratam a pele, a intermediária é composta por um agente condicionante da pele, e a aquosa contribui para a textura levíssima do produto. "Essa combinação foi desenvolvida nas proporções adequadas para que o produto tenha um sensorial agradável, sem impactos na ação hidratante", conta a pesquisadora. 

Quando e como usar?

Os óleos costumam ser mais procurados durante o inverno, quando a pele apresenta ressecamento maior e, por isso, exige uma barreira protetora poderosa. No geral, eles são indicados para todos os tipos de pele e garantem o efeito hidratante por 24 horas. 

Ainda na dúvida de qual escolher? Procure recorrer aos monofásicos em casos de ressecamento severo, aos bifásicos quando o ressecamento estiver intenso, e aos monofásicos naqueles momentos em que a pele estiver levemente seca. 

Para melhor aderência, Valéria orienta aplicar o produto logo após o banho, com o corpo ainda úmido. Quando o item pedir enxágue, aproveite para usá-lo durante o banho.

Conheça os produtos