Proteção solar: é verdade que óleo só bronzeia?

Saiba tudo sobre uma das dúvidas mais comuns quando o assunto é proteção solar e renove sua lista de produtos favoritos

Publicado em 23 ago 2018, 19:08

Quando o cuidado com a pele e a proteção contra os raios solares ainda não faziam parte da nossa rotina de beleza de maneira mais severa, o banho de sol tinha como aliado os famosos bronzeadores em óleo. Por anos, essa foi a função dos produtos com esse tipo de textura. E quem sempre teve receio de queimaduras tinha à disposição as loções cremosas.

Leia também:

Protetor solar facial: descubra qual é o ideal para você

BB cream corporal: o que é e como usar?

Guia completo de depilação: métodos e cuidados

Na contramão dessa ideia, o Óleo Protetor Ekos Buriti, que tem FPS 30, surge como aliado poderoso na hora de criar uma barreira protetora contra a ação dos raios solares. Com sensorial diferente do de costume, ele chega como uma ótima oportunidade para quem quer experimentar um jeito novo de se proteger durante um dia de praia ou piscina, por exemplo. Portanto, esqueça já o mito de que óleo só bronzeia. 

A origem do óleo que protege

O óleo de buriti é obtido por meio da prensagem da polpa seca do fruto. Priscila Moncayo, especialista em proteção solar, que faz parte do nosso time de desenvolvimento de produtos, destaca que ele é rico em betacaroteno e possui propriedades antioxidantes, fundamentais para combater os efeitos nocivos do sol. 

Os raios solares formam radicais livres que, em contato com a pele, quebram nossas fibras de colágeno e elastina e resultam no processo de envelhecimento da pele”, afirma. Priscila acrescenta ainda que, entre seus benefícios, está também a garantia de uma pele hidratada e iluminada. 

Dicas de uso

Quer variar? Então, aplique o Óleo Protetor de Buriti no corpo cerca de 15 minutos antes da exposição ao sol. Mas aqui vale um alerta: evite passá-lo no rosto, pois a pele da região tende a ser mais sensível e, por isso, exige um produto livre de óleo e com fator de proteção mais alto. 

“Alguns protetores têm ação imediata. No caso do óleo, é necessário maior tempo para secar e formar o filme de proteção, por isso recomendamos esse tempo de antecedência”, esclarece Priscila. 

A especialista reforça a necessidade de aplicá-lo de forma abundante, sempre na pele seca. 

“O corpo estar seco é mais uma precaução que recomendamos, uma vez que, por se tratar de um óleo, a aplicação será mais efetiva e o filme de proteção se fixará de forma mais homogênea, sem dar espaço para manchas, por exemplo”, explica a especialista.

A reaplicação deve ser feita imediatamente após um mergulho ou o uso de toalha, e frequente em caso de sudorese intensa.