Natura paga para que comunidade “troque” desmatamento por ar puro

Parceria com cooperativa é o primeiro projeto de compensação de carbono na própria cadeia de valor da empresa e do Brasil

Publicado em 23 ago 2018, 22:08

“Você está me dizendo que vou lhe vender o ar?” A pergunta feita por um integrante da cooperativa Reflorestamento Econômico Consorciado Adensado (Reca), que reúne produtores rurais do distrito de Nova Califórnia, em Porto Velho (RO), e de regiões de entorno no Acre e no Amazonas, sintetizou o espanto da comunidade local com a proposta da Natura de pagar para que a associação conciliasse o fornecimento de ativos como cupuaçu, açaí e andiroba com a preservação de áreas de floresta.

Leia também:

Produtos Natura são carbono neutro; entenda o que isso significa

Desmatamento: por que a Floresta Amazônica em pé vale mais

Com selo UEBT, Ekos torna visível seu respeito pela biodiversidade

Evitar o desmatamento e a consequente emissão de gases de efeito estufa é objetivo da parceria idealizada pela Natura, com o apoio técnico do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam) e de outras organizações parceiras que atuam na região, como a Equipe de Conservação da Amazônia (Ecam), a Ação Ecológica Guaporé (Ecoporé), a Terras, a CooperAgrus e a RS Advogados.

Em 2017, a Reca recebeu o primeiro pagamento por assumir o compromisso de preservar uma área de 5 mil hectares de floresta. O repasse de recursos – que é feito tanto individualmente para as famílias quanto para um fundo da cooperativa – é condicionado a entrega anual de emissões auditadas por uma terceira parte, independente. A intenção é chegar em 2038 com desmatamento zero.

Programa Carbono Neutro

As principais fontes de renda da região onde a Reca está localizada são a pecuária e a exploração madeireira, que fazem do desmatamento um sério problema. Por ano, 1,9% da vegetação da área é derrubada.

A parceria entre a Natura e a Reca é mais uma estratégia do Programa Carbono Neutro da companhia (criado em 2007) e o primeiro movimento de compensação de carbono da companhia na própria cadeia de valor (“insetting carbono”) – da companhia e do Brasil. 

Tradicionalmente, as empresas compram créditos de carbono por meio de editais para selecionar projetos de compensação ambiental, que não têm relação direta com o próprio negócio.

Metodologia pública

A iniciativa cria um ciclo virtuoso, porque traz renda extra para os fornecedores dos ingredientes vegetais utilizados pela Natura, colabora para o aumento da resiliência da cadeia e contribui para a conservação de áreas florestais.

A empresa tem como objetivo replicar o modelo em outras comunidades com as quais se relaciona na Amazônia. Como toda a metodologia desenvolvida para esse trabalho com a Reca está sistematizada e é pública, a iniciativa pode ser reproduzida por qualquer companhia, incluindo as concorrentes.

Conversas com os produtores rurais

O ponto de partida para a construção da parceria com a Reca foram três rodadas de conversa com os produtores rurais da associação, iniciadas em 2014.

O objetivo dos encontros foi esclarecer questionamentos como o que abre esta reportagem, garantindo que os agricultores tivessem espaços adequados e suficientes para compreender as propostas do projeto e avançar na construção de um acordo comercial entre empresa e associados. 

A Reca é uma comunidade muito importante para a Natura. Desde 2001, quando a companhia iniciou a compra de insumos da cooperativa, já foram repartidos R$ 10 milhões com a comunidade em função dos negócios gerados localmente.